05/10/2012

CRUEL METÁFORA


Hastearam-na assim. De pernas para o ar.

Terá sido sabotagem monárquica?
Terá sido gesto de revolta do militar responsável pela devida colocação da bandeira, no caso de o responsável ser um militar?
Terá sido ignorância ignorância do funcionário porque os orçamentos só permitem a contratação de incapazes?
Não sei e nem é isso o que me leva a escrever. 

 .... // ....
Quaisquer que sejam as circunstâncias, a Bandeira Nacional é o símbolo maior  da Pátria. E ali está ela, desfraldada perante o olhar dos altos dignitários do Estado. Todos olham para a Pátria, mas nenhum repara que ela está de cabeça para baixo, revolvida sobre si mesma. Naquele momento, mais do significar a Pátria, aquela bandeira representa o estado da Pátria - o estado em que ela foi posta. O contraste entre a Pátria revirada e o ar satisfeito dos  representantes da Nação é uma metáfora  tão cruel que só pode provocar náuseas.

Dizem-nos que só o feriado foi suprimido. Perante aquilo que vi, não me restam dúvidas de que a República foi, outra vez, encerrada. As "cerimónias" no espaço fechado do pátio da Galé são, por demais, significativas.

Pior do que Pilatos, o primeiro ministro bandeou-se para país estrangeiro. Se, ao menos, tivesse a dignidade de ficar por lá.


22/05/2011

SHARIA

De alguns (poucos)jornais:





Os americanos adiantaram-se, para minha pena. À criatura deveria ser-lhe aplicada a Sharia - que defendia só para os outros, pelos vistos! Nesta criatura nem, ao menos, a coerência se aproveita. Que nojo!



********
 Aqui fica o texto mordaz que Alberto Gonçalves dedicou hoje ao assunto, na sua crónica dominical no DN. Eu não sou capaz de ser tão simpática!

As 72 virgens podem esperar

É um sinal das prioridades da época que a detenção de Dominique Strauss-Kahn abafasse a notícia da semana: a descoberta de vasta colecção de pornografia no esconderijo de Bin Laden. É sempre bom perceber que o transtornado asceta possuía semelhanças com o comum dos mortais. Uma das semelhanças, aliás demonstrada em segundos pelos militares americanos, consistia na mortalidade propriamente dita. A outra era o facto de apreciar um bom forrobodó.

Presumivelmente ao contrário do material em causa, as fontes da Casa Branca não são muito explícitas sobre o tipo de pornografia encontrado. Se sabemos tratar-se de cassetes vídeo, arcaísmo necessário numa casa sem internet, não sabemos detalhes acerca dos realizadores das fitas, nem dos respectivos actores, enredo, tara ou orientação sexual.



Afinal, eles não nos detestam por sermos como somos: detestam-nos por se terem proibido de ser iguais a nós, pormenor que os torna mais humanos. Doidos varridos, mas humanos.
Pelos vistos, o ódio desses fanáticos ao Ocidente não se deve aos princípios éticos e religiosos que nos abstemos de respeitar: deve-se à assaz terrena inveja. O problema não é a facilidade com que contemplamos mulheres despidas ou a tolerância que dedicamos aos homossexuais. O problema é a dificuldade dos fanáticos em aceder ou tolerar as mesmas licenciosidades, para citar a imortal expressão do prof. Freitas do Amaral. Remexidos com jeitinho, os armários de Bin Laden ainda revelarão garrafas de uísque, bifanas, colectâneas musicais, arte sacra e toda a parafernália pecaminosa de que os taliban e aparentados se auto-excluíram.
De qualquer maneira, sendo curiosa o fascínio de Osama pelo exacto deboche que, em parte, lhe justificava a jihad, a contradição não é inédita. Quando a guerra no Afeganistão começou a espantar os terroristas das suas tocas, nas tocas ficaram retratos dos valentes guerrilheiros maquilhados e travestidos.

07/05/2011

Vale, mesmo, a pena ver, sobretudo pelo final.

15/04/2011

O NOVO MANUELINHO DE ÉVORA


O Manuelinho de Évora

Sabemos que era pessoa afamada em Évora e tido por doido, ou tolo, ou profeta. Era, em todo o caso, um inimputável, razão pela qual, os organizadores dos motins de 1637 assinavam em seu nome os panfletos da revolta. E se esses motins populares começaram por ser mera reacção contra o aumento de impostos, rapidamente assumiram o carácter revolucionário de aspirar à expulsão dos Filipes, ou seja: recuperar a independência perdida. Temos de perdoar a quem se serviu do nome do Manuelinho, tendo em conta a elevação dos propósitos.

*****

Anda meio País aos gritos porque Fernando Nobre aceitou ser cabeça de lista do PSD por Lisboa e Presidente da Assembleia da República caso esse partido vença as eleições. Vai mais longe: se tal não acontecer, renunciará ao mandato de deputado. O problema, para esse País que grita, está no nome de Fernando Nobre.

Pois eu também grito, mas sinto-me como S. João Baptista: "Ego vox clamantis in deserto". Não ouço mais ninguém falar disso estou, pois, sozinha nos meus motivos, de preocupação com a democracia e com o cumprimento das suas normas. É da Constituição da República que falo!

No texto primordial de 1976 estipula-se que:

ARTIGO 178º

Compete à Assembleia  da República elaborar e aprovar o seu regimento, nos termos da Constituição, eleger o seu Presidente e os demais membros da Mesa (...)

Com algumas alterações, texto da revisão constitucional de 2005 determina o seguinte:

Artigo 175.º

Compete à Assembleia da República:


a) Elaborar e aprovar o seu Regimento, nos termos da Constituição;
b) Eleger por maioria absoluta dos Deputados em efectividade de funções o seu Presidente e os demais membros da Mesa, sendo os quatro Vice-Presidentes eleitos sob proposta dos quatro maiores grupos parlamentares;
(...)

Ou seja, na essência nada mudou: compete à Assembleia da República eleger o seu Presidente!

*****

Assisto ao espectáculo lamentável de um chefe de um partido determinar, à partida, quem será a segunda figura do Estado Português. Assisto e não quero acreditar. Assisto e fico estarrecida porque mais ninguém se importa!

Será que ninguém entende que o nome pouco interessa? Se Fernando Nobre aceitou fazer a figura de tolo útil ao serviço de uma causa que não compreende é lá com ele (nas eleições presidenciais deixou demonstrado, ad mauseam, que desconhece as leis essenciais de Portugal)! Se aceita que lhe usem o nome, é triste, mas é com ele!

O que eu não posso admitir é que alguém que poderá vir a ser primeiro-ministro, dando corpo a um órgão de soberania, faça tábua-rasa da Constituição - que ele conhece, assim como todos quantos o rodeiam. Utilizar Nobre como se fosse um novo Manuelinnho é torpe e os motivos são rasteiros, ao invés de serem nobres e elevados como deveriam

02/04/2011

QUARESMA, VIEIRA E POLÍTICOS

Quem sou eu? Isto se deve perguntar a si mesmo um ministro (...).Eu sou um desembargador da casa da suplicação, dos agravos, do paço. Sou um procurador da coroa. Sou um chanceler-mor. Sou um regedor da justiça. Sou um conselheiro de Estado, da guerra, do ultramar, dos três estados. Sou um vedor da fazenda. Sou um presidente da câmara do paço, da mesa da consciência. Sou um secretário de Estado, das mercês, do expediente. Sou um inquisidor. Sou um deputado, sou um bispo. Sou um governador de bispado, etc. Bem está, já temos o ofício: mas o meu escrúpulo, ou a minha admiração, não está no ofício, senão no um. Tendes um só desses ofícios, ou tendes muitos? Há sujeitos na nossa corte que têm lugar em três e quatro, que têm seis, que têm oito, que têm dez ofícios. Este ministro universal, não pergunto como vive, nem quando vive. Não pergunto como acode a suas obrigações, nem quando acode a elas. Só pergunto como se confessa (...). Como se hão-de ajuntar em um só homem, ou se hão-de confundir nele tantos ofícios? Se um mestre com carta de examinação dá má conta de um ofício mecânico, um homem (que muitas vezes não chegou a ser obreiro) como há-de dar conta de tantos ofícios políticos? E que não faça disto consciência este homem! Que se confesse pela Quaresma, e que continue a servir os mesmos ofícios, ou a servir-se deles depois da Páscoa! Isto me admira! (...)

E com que meios se fazem, e se conseguem todas estas cousas que temos dito? Com um papel, e com muitos papéis, com certidões, com informações, com decretos, com consultas, com despachos, com portarias, com provisões. Não há cousa mais escrupulosa no mundo que papel e pena (...). Eu não sei como não treme a mão a todos os ministros da pena, e muito mais àqueles que sobre um joelho aos pés do rei, recebem os seus oráculos, e os interpretam e estendem. Eles são os que com um advérbio podem limitar ou ampliar as fortunas; eles os que com uma cifra podem adiantar direitos, e atrasar preferências; eles os que com uma palavra podem dar ou tirar peso à balança da justiça (...). Se perguntardes aos gramáticos donde deriva este nome calamidade: calamitas? Responder-vos-ão que de calamo. E que quer dizer calamo? Quer dizer cana e pena; porque as penas antigamente faziam-se de certas canas delgadas. Por sinal que diz Plínio que as melhores do mundo são as da nossa Lusitânia. Esta derivação ainda é mais certa na política que na gramática.


P. António Vieira, Sermão da Terceira Dominga da Quaresma (1655)
in, M.ª Ema Tarracha Ferreira, Os Trinta Sermões do Rosário, ed. Fundação Casa de Bragança, Dezembro de 2010

27/02/2011

16/04/2010

É UM CLUBE CADA VEZ MAIS RESTRITO...

31/12/2009

A SARAMAGO COMO SE DISSESSE CRIME

Eu era indefectível de Saramago.

Aquando do lançamento de Caim gerou-se uma polémica enorme, não em torno da obra (pelos vistos, ninguém a lera), mas em torno das declarações que o autor teceu sobre a Bíblia, apodando-a de “manual de maus costumes”. Dei pouca importância à contenda porque me convenci de que o Saramago da Caminho, já velho e frágil, se deixara enlear pelas manobras publicitárias da capitalista Leya. Erro meu. Saramago não se deixou enlear, ao contrário, pragmaticamente, serviu-se da capacidade publicitária da editora para que muitos mais quisessem ler o seu livro, tornando a mensagem mais eficaz.

Li toda a obra do autor e reconheço-lhe a rara capacidade de ter escrito duas obras-primas que são o Memorial do Convento e o Ensaio sobre a Cegueira e uma quase obra-prima, o Todos os Nomes. Desculpei-lhe os actos falhados de O Homem Duplicado e de A Caverna, enterneci-me com o Evangelho Segundo Jesus Cristo e com O Ano da Morte de Ricardo Reis e agradeci-lhe o tanto que me ensinou sobre a vida do camponês alentejano no Levantado do Chão.

Agora li Caim, nome de uma personagem Bíblica que Saramago aproveita e a quem, na sua liberdade criativa, inventa uma biografia, levando-o a passear-se por episódios do Génesis e do Êxodo. Identificando-se com o protagonista, Saramago faz de Caim o agente concretizador da sua utopia. Caim é Saramago e Saramago é a descrença.

As utopias são filhas do tempo, deixando-o transparecer mas, no fundo, trazem com elas a crença de que o ser humano é capaz de construir um futuro que seja perfeito. Onde encaixa, então, o pessimista Saramago na ideia de utopia? Encaixa perfeitamente, se aceitarmos que existem utopias negras, aquelas que pressupõem o extermínio de tudo quanto possa contribuir para a sua não concretização, que vociferam contra a violência quando é praticada pelos outros, mas instigam à sua prática se for para atingir os objectivos que almejam. Existem utopias destas e a de Saramago nem sequer tem o mérito de ser a primeira!

No Memorial do Convento associei-me a Saramago no nojo contra os autos-de-fé e a profunda hipocrisia do braço condenador. Em Caim percebi que Saramago não é contra os autos-de-fé, que não chora a morte pelo desperdício da vida – de qualquer vida – ele apenas se irrita por não ser a sua, a mão do carrasco e o seu motivo, o motivo da condenação. As vítimas seriam as mesmas e muitas mais!

A obra é um manifesto anti-semita na versão de anti-judaísmo e, não vá algum leitor deixar escapar a filosofia, o autor semeia juízos desses por toda a parte, nem sequer falhando a associação de episódios bíblicos com a leitura que faz da actual situação do país que é Israel.

Saramago, porém, não se satisfaz com o sangue dos judeus. A ele, só o sangue de todos os crentes o saciará e nisso se consubstancia a sua utopia. Antes de passar a ela, devo referir a ideia de mulher que o autor deixa transparecer: lascívia, nada mais que lascívia. De nenhuma das mulheres referidas sai uma ideia, uma palavra que marque; apenas a volúpia da sua entrega consciente ao corpo de Caim, para já não falar de Eva que se serviu da fraqueza da carne do querubim, guardião do jardim do Éden, para conseguir iludir o castigo de Deus e obter alimentos (e da repugnância que é a sugestão de que a espada de fogo do querubim é, afinal, o seu falo).

Como já disse, Saramago põe Caim a percorrer alguns episódios dos dois primeiros livros da Bíblia. Logo no início, Caim mata Abel porque não pode matar a Deus; mais adiante, será Caim a segurar o braço de Abraão quando este se preparava para sacrificar Isaac e o mesmo Caim instila o germe da descrença no patriarca, ao dizer-lhe que Deus foi cruel por não ter poupado os habitantes puros de Sodoma: as crianças! Sodomitas com filhos! Saramago tem de explicar o prodígio! À medida que Caim percorre os episódios bíblicos vai-se convencendo da suprema maldade de Deus e, quando chega à narrativa da construção da Arca da Aliança por Noé, toma uma decisão: se não pode matar Deus, matará todos os crentes, os únicos que Deus salvara do dilúvio. É por suas mãos que mata cada um dos filhos de Noé; é por suas mãos que mata cada uma das noras de Noé com quem se deitara e que estavam grávidas de si, tão grávidas como a mulher de Noé que também quis dormir com este Caim inventado por Saramago e este Caim-Saramago, que não cessa de chorar os filhos improváveis dos sodomitas, não hesita em matar as crianças que ainda não nasceram porque cometeram o supremo crime de terem sido geradas no ventre de gente obediente a Deus. Caim-Saramago só não mata Noé porque quer que seja ele o instrumento da sua vitória definitiva sobre Deus, obrigando-o ao suicídio.

Saramago salva Caim e, presume-se, será este assassino o primeiro habitante da sua utopia. Quem leu a obra, há-de entender a razão de ser do título que dei a este artigo.

Na classificação pessoalíssima que faço dos livros, merecidamente, arrumarei Caim ao lado do Mein Kampf. Não citei passagens de Caim pelo mesmo motivo que, a não ser no estrito cumprimento do dever profissional, me recuso a citar Hitler.

Eu era indefectível de Saramago!

01/12/2009

1640 e mais Fialho

Esta manhã, de nevoeiro e chuva, está de feição para nos trazer o Encoberto. Verdade, verdadinha, ele já chegou na pessoa de D. João IV. Quem o afirma é o jesuíta Padre António Vieira, e eu acredito mais nele do que em mim própria (será que a sanha antijesuítica se deve à lucidez dos seus membros?).

Volvidos 369 anos sobre a manhã refundadora da liberdade pátria em 1640 (outras existiram!)que povo somos nós? Seguidores acríticos da propaganda republicana que repetimos como papagaios, sem lhe conhecer a origem, atiramos mancheias de lama sobre 270 anos de História, o tempo da IV dinastia. À História de Portugal exigimos que cumpra a impossibilidade de se manter eternamente no apogeu, enquanto todos aceitamos a inevitabilidade da queda dos impérios, em sinal do devir histórico. E que fazemos por nós, para não soçobrarmos de todo? Em vez de delinearmos o futuro, atiramo-nos como cães raivosos a quem nos não dá a vida de lordes a que julgamos ter direito. Lá está: "a quem nos não dá", como se não fosse obrigação de cada um suar para conseguir o próprio sustento. Acusamos a Pátria da quimera sebastianista e não reconhecemos nesse "não nos dá" o nosso contributo pessoal para a alimentar. Acusamos todo o mundo, menos a nós.

É muito interessante este trecho do Fialho:


Como se todos tivessem nascido para destinos de príncipes, o menor contratempo desilude esses inermes (...). À preguiça que lhes deu o clima, juntam o fatalismo sorna que a tradição histórica lhes deu, e a cobardia física, vinda da dependência estrangeira e da esmoplante miséria em que Portugal tem vivido, desde o senhor D. João IV. Nenhum país possui, sob esse ponto de vista, mais autómatos. A iniciativa particular escandaliza a nossa inércia. Qualquer vontade medianamente enérgica nos faz medo E daqui dois males graves. O primeiro é aguardarmos toda a vida, por um fundo sebastiânico da raça, esse protector misterioso que numa manhã de névoa há-de vir pôr-nos a mesa, arranjar-nos o emprego, mobilar-nos a casa, casr-nos rico, e que não vindo nunca, constantemente nos impede de ganhar a vida por um trabalho sólido e higiénico. O segundo é estarmos aptos a sofrer constantemente o jugo dum subalterno audaz que qualquer golpe de mão leve ao pináculo, e que uma vez sagrado chefe, chicoteie a seu gosto a caterva de humildes pulhas que nós somos. Estes dois males ponte-vistam a história de todas as nossas misérias e de todas as nossas subserviências, internas ou externas, quaisquer que sejam (...).

E o que mais confrange é esta abdicação, no Estado como no indivíduo, ser feita de indolência estúpida, de desgoverno insólito, de falta de brio cívico. Não nos cerceia a miséria filha dum estancamento completo de recursos; cerceia-nos o desleixo, derivante dum descaminho de força, e de uma aplicação viciada e de predilecções e faculdades. (...) O resultado é este:em cima, o País gozado por dez ou doze charlatães, de parceria com dez ou doze bandidos, o todo fazendo permutaç~oes d'infâmias e jigajogas de negociatas, que lhes permite aguentarem-se alguns meses mais no tombadilho; em baixo a massa avulsa, morrinhenta, sórdida, sem força, desiludida de tudo, irrespeitosa de tudo, insultando-se como os cães, vendo passar as afrontas indiferente, e deixando-se cair alfim no próprio vómito, onde a letargia a açovaca, té que uma chicotada nova a faça outra vez estrebuchar!

(...)De sorte que o salve-se quem puder não deve exprimir-se no momento actual, por este grito: «quem nos livra dos ingleses!» mas por este outro - quem nos livra de nós mesmos!

In: Os Gatos, 31 de Agosto de 1890


Em 2009 damos por nós um vintém, ou vendemo-nos por um vintém?

24/10/2009

Do Fialho de Almeida

À parte outras virtudes, a política tem esta de prática: tira os vadios do caminho da cadeia, e pespega com eles no caminho da fortuna. Há safardanas que estavam hoje de capuz na Penitenciária, se S.M. os não tem posto de farda nos conselhos da coroa. O cadastro dos mesmos crimes dá aos malandros destino antípoda, conforme o edifício público em que se faz visar: - o Governo Civil chancela gatunos; S. Bento, homens de Estado. Et plus cela change plus c'est la même chose.

***
A instrução ficará assim nas mãos dum pessoal abstruso e ignaro, descultivado e indiferente (...).

Este pessoal, jungido do do famoso conselho de instrução pública, a quem se deve o estado humilhador do ensino actual, exercerá, segundo já por aí se diz, sobre escolares e professores, uma espécie de magistratura de carácter hierático e inviolável, reservando-se o direito de legislar sobre o que não conhece, de reformar o que lhe fizer conta, de impor às escolas os castigos e os prémios, quer a discípulos, quer a mestres, com solércia e aplomb, iguais aos que o foro privado da Universidade deixa exercer aos lentes, mesmo fora da alçada académica, sobre a desprotegida carneirada de estudantes.

Eu não quero pensar o que será o corpo docente das nossas escolas, onde, apesar da decadência do ensino, ainda podem contar-se muitas cabeças de excepção, mandado pelo Sr. Arroio e pelos gros bonnets do seu Ministério, nem vejo bem por que caminhos mentais derive a mocidade portuguesa, seguindo planos de estudo onde haja parágrafos do conselheiro Amorim, corrigidos pelo Luciano Cordeiro e pelo Alberto Pimentel. Lamento só, com uma filosofia desabusada, que, mercê das poucas-vergonhas vistas, me proibiu de há muito a indignação, lamento só que nem as matérias da ciência, nem os profundos prolblemas da educação, escapem ao dilúvio do amanuense que atola tudo, e pergunto a mim mesmo, se não é aviltante, irremissivelmente aviltante, para certas corporações superiores, esta lotaria política que põe sábios e antigos servidores, encanecidos nas austeridades da honra e do trabalho, à mercê do primeiro rapazola que o sr. Serpa e o sr. José Luciano se lembram de fazer ministro, e dos bisbórrias que esse ministro escolha para estado-maior dos seus estardalhaços (...).

Fialho de Almeida, Os Gatos

__________ //__________

Fialho tem, do Conselho de Instrução Pública do séc. XIX, a mesma visão crítica que eu tenho dos mestres saídos da escola de Boston que, tragicamente, lançaram ideias daninhas e práticas assassinas sobre o nosso sistema de ensino a partir dos anos 80 do séc. XX. São eles os agentes importadores do modelo americano das ciências da educação, designação que seria hilariante se a realidade que nos impuseram não fosse trágica. À estatística, ou a brandem como arma, ou jenuflectem perante ela como se ela fosse o credo da verdade e a medida de todas as coisas. A estatística é o dogma da religião que professam, a que chamam ciência. Os mestres de Boston, não satisfeitos por controlarem todo o processo da formação de professores, quiseram que as suas ideias tivessem forma de lei. Conseguiram-no, chegando ao Ministério da Educação na última legislatura. Por lá se mantêm, apesar de ser outra a ministra. Queira Deus que eu me engane como o (às vezes reaccionário) Fialho se enganou tantas vezes.

Das restantes acusações que Fialho faz, nem me apetece falar!

Faz sentido, ainda!





O microfone e a lente são incapazes de captar a atmosfera que se respirou, ontem à noite, no Campo Pequeno. Foi muito bom. Eh! Companheiros!

06/10/2009

Gracias a la vida

Quatro versões de uma só canção que estará na memória afectiva de muitos de nós. Começou no Chile, pelas mãos e voz de Violeta Parra. Depois correu o mundo inteiro, sendo a voz cheia e intensa de Mercedes Sosa aquela que, certamente, lhe deu maior visibilidade e alcance. Mercedes Sosa está, agora, a encher de encanto todo o espaço do céu.







29/09/2009

Mafaldinha

Bem sei que Quino não permite a publicação da sua Mafaldinha na internet. Apesar disso, não resisto à tentação, porque fez hoje 45 anos! Parabéns Mafaldinha...



(...e uma tirinha surripiada para nos fazer rir...)



29/06/2009

S. PAULO


El Greco, S. Paulo


Hoje é dia de S. Paulo. Também é de S. Pedro, porque a igreja cristã achou por bem reunir as duas pessoas numa única celebração, que é a dos fundadores dessa igreja. Entre nós, S. Paulo tem saído a perder e não me parece justo porque foi do seu labor que nasceu um cristianismo aberto a todos (outros do seu tempo queriam-no limitado aos circuncisos) e foi do seu pensamento, alicerçado na absoluta dedicação à mensagem de Cristo, que a dignidade humana foi alcandorada a alturas, antes, impensáveis:



Não há judeu nem grego;
não há escravo nem livre;
não há homem e mulher,
porque todos sois um só em Cristo.

(Epístola aos Gálatas, 3, 27-28)


A escrita de S. Paulo é poética, embora não quebre os versos. Aqui fica aquela que é, talvez, a mais bela das suas poesias - o capítulo 13 da primeira carta aos Coríntios, hoje, dia em que termina a celebração do ano paulino dedicado aos 2000 anos do nascimento do apóstolo que não conheceu Jesus em pessoa.

Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como um bronze que soa ou um címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência e ainda que eu tenha toda a fé, de tal modo que remova montanhas, se não tiver caridade, nada sou. Ainda que eu distribua todos os meus bens e ainda que eu entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada me aproveita. A caridade é paciente, bondosa é a caridade, não ferve de inveja, não se ostenta, não se orgulha, nada faz de inconveniente, não procura o seu interesse, não se irrita, não guarda ressentimento, não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo aguenta. A caridade jamais acaba. As profecias serão abolidas, as línguas cessarão e a ciência será abolida. Pois o nosso conhecimento é fragmentário e fragmentária é também a nossa profecia. Mas, quando vier o que é perfeito, o que é imperfeito será abolido. Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Mas, quando me tornei homem, deixei o que era próprio de criança. Agora vemos como num espelho, de maneira enigmática; depois veremos face a face; agora conheço de modo fragmentário; depois reconhecerei como fui reconhecido. Agora permanecem a fé, a esperança, a caridade, estas três; mas a maior delas é a caridade.

(1Cor, 13)

25/04/2009

Abril

Porque hoje é Abril e faz falta acordar


Acordai
acordai
homens que dormis
a embalar a dor
dos silêncios vis
vinde no clamor
das almas viris
arrancar a flor
que dorme na raíz

Acordai
acordai
raios e tufões
que dormis no ar
e nas multidões
vinde incendiar
de astros e canções
as pedras do mar
o mundo e os corações

Acordai
acendei
de almas e de sóis
este mar sem cais
nem luz de faróis
e acordai depois
das lutas finais
os nossos heróis
que dormem nos covais
Acordai!

Não será preciso, mas:
Poema de José Gomes Ferreira
Música de Fernando Lopes Graça (in Canções Heróicas)
Canta o Coro da Academia de Amadores de Música, vulgo, Coro Lopes Graça

17/04/2009

GERAÇÃO Y

Saída directamente da minha caixa de correio:

What is Generation Y? Hmm, I've always wondered this myself. Now I know.


- The Silent generation, people born before 1946.

- The Baby Boomers, people born between 1946 and 1959.

- Generation X, people born between 1960 and 1979.

- Generation Y, people born between 1980 and 1995

Why do we call the last one generation Y? I did not know, but acartoonist explains it eloquently below...
Learned something new today!

27/02/2009

A Crise

Interessantíssima, esta explicação da crise. Vale a pena ver tudo.


The Crisis of Credit Visualized from Jonathan Jarvis on Vimeo.

01/12/2008

Senhor Inverno

Seja muito bem-vindo, senhor Inverno

com sua chuva doce e benfazeja,

sua neve calma, bela e límpida

e seu frio útil e retemperador!




Seja muito bem-vindo, senhor Inverno, pela promessa do recomeço!

Fotografias gentilmente oferecidas por minha irmã A.M.

25/11/2008

Ironia às escâncaras

Imagem retirada daqui.

Investido em Presidente do Conselho, Salazar ter-se-á rido com este pedido , digamos assim, escrito em Português Técnico, dirigido ao ministro da agricultura:


- E X P O S I Ç Ã O -

Porque julgamos digna de registo
a nossa exposição, senhor Ministro,
erguemos até vós, humildemente,
uma toada uníssona e plangente
em que evitámos o menor deslize
e em que damos razão da nossa crise.

Senhor: Em vão, esta província inteira,
desmoita, lavra, atalha a sementeira,
suando até à fralda da camisa.
Falta a matéria orgânica precisa
na terra, que é delgada e sempre fraca!
- A matéria, em questão, chama-se caca.

Precisamos de merda, senhor Soisa!...
E nunca precisámos de outra coisa.

Se os membros desse ilustre ministério
querem tomar o nosso caso a sério,
se é nobre o sentimento que os anima,
mandem cagar-nos toda a gente em cima
dos maninhos torrões de cada herdade.
E mijem-nos, também, por caridade!

O senhor Oliveira Salazar
quando tiver vontade de cagar
venha até nós solícito, calado,
busque um terreno que estiver lavrado,
deite as calças abaixo com sossego,
ajeite o cú bem apontado ao rego,
e… como Presidente do Conselho,
queira espremer-se até ficar vermelho!

A Nação confiou-lhe os seus destinos?...
Então, comprima, aperte os intestinos;
se lhe escapar um traque, não se importe,
… quem sabe se o cheirá-lo nos dá sorte?
Quantos porão as suas esperanças
n'um traque do Ministro das Finanças?...
E quem vier aflito, sem recursos,
Já não distingue os traques dos discursos.

Não precisa falar! Tenha a certeza
que a nossa maior fonte de riqueza,
desde as grandes herdades às courelas,
provém da merda que juntarmos n'elas.

Precisamos de merda, senhor Soisa!...
E nunca precisámos de outra coisa.

Adubos de potassa?... Cal?... Azote?...
Tragam-nos merda pura, do bispote!
E todos os penicos portugueses
durante, pelo menos uns seis meses,
sobre o montado, sobre a terra campa,
continuamente nos despejem trampa!

Terras alentejanas, terras nuas;
desespero de arados e charruas,
quem as compra ou arrenda ou quem as herda
sente a paixão nostálgica da merda…

Precisamos de merda, senhor Soisa!...
E nunca precisámos de outra coisa.

Ah!... Merda grossa e fina! Merda boa
das inúteis retretes de Lisboa!...
Como é triste saber que todos vós
Andais cagando sem pensar em nós!

Se querem fomentar a agricultura
mandem vir muita gente com soltura.
Nós daremos o trigo em larga escala,
pois até nos faz conta a merda rala.

Venham todas as merdas à vontade,
não faremos questão da qualidade.
Formas normais ou formas esquisitas!
E, desde o cagalhão às caganitas,
desde a pequena poia à grande bosta,
de tudo o que vier, a gente gosta.

Precisamos de merda, senhor Soisa!...
E nunca precisámos de outra coisa.

Pela Junta Corporativa dos Sindicatos Reunidos, do Norte, Centro e Sul do Alentejo
Évora, 13 de Fevereiro de 1934

O Presidente
D. Tancredo (O Lavrador)
Texto gentilmente enviado pelo meu amigo António Fernandes

22/11/2008

Explicação

Imagem retirada daqui

E até não sei se a certa altura não é bom haver seis meses sem democracia, mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia
. Estas palavras de Manuela Ferreira Leite provocaram um sururu dos diabos e o senhor deputado Alberto Martins veio de lá com o seu abrenúncio, não foi para ouvir destas que eu pedi a palavra, e ma não deram, num plenário académico à frente de Hermanos Saraivas e Américos Tomás! Figuras tristes, isso sim. Bem feita, tivessem-me lido!

Quem me leu há-de embrar-se que o senhor primeiro ministro, convidando-nos a um silogismo, afirmou ser ele a Lei. Perante isto, a interpretação das palavras de Manuela Ferreira Leite só pode ser esta: E até não sei se a certa altura não é bom haver seis meses sem José Sócrates, mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia.

Sem ironias: quem lhe tira a razão?