24/10/2009

Do Fialho de Almeida

À parte outras virtudes, a política tem esta de prática: tira os vadios do caminho da cadeia, e pespega com eles no caminho da fortuna. Há safardanas que estavam hoje de capuz na Penitenciária, se S.M. os não tem posto de farda nos conselhos da coroa. O cadastro dos mesmos crimes dá aos malandros destino antípoda, conforme o edifício público em que se faz visar: - o Governo Civil chancela gatunos; S. Bento, homens de Estado. Et plus cela change plus c'est la même chose.

***
A instrução ficará assim nas mãos dum pessoal abstruso e ignaro, descultivado e indiferente (...).

Este pessoal, jungido do do famoso conselho de instrução pública, a quem se deve o estado humilhador do ensino actual, exercerá, segundo já por aí se diz, sobre escolares e professores, uma espécie de magistratura de carácter hierático e inviolável, reservando-se o direito de legislar sobre o que não conhece, de reformar o que lhe fizer conta, de impor às escolas os castigos e os prémios, quer a discípulos, quer a mestres, com solércia e aplomb, iguais aos que o foro privado da Universidade deixa exercer aos lentes, mesmo fora da alçada académica, sobre a desprotegida carneirada de estudantes.

Eu não quero pensar o que será o corpo docente das nossas escolas, onde, apesar da decadência do ensino, ainda podem contar-se muitas cabeças de excepção, mandado pelo Sr. Arroio e pelos gros bonnets do seu Ministério, nem vejo bem por que caminhos mentais derive a mocidade portuguesa, seguindo planos de estudo onde haja parágrafos do conselheiro Amorim, corrigidos pelo Luciano Cordeiro e pelo Alberto Pimentel. Lamento só, com uma filosofia desabusada, que, mercê das poucas-vergonhas vistas, me proibiu de há muito a indignação, lamento só que nem as matérias da ciência, nem os profundos prolblemas da educação, escapem ao dilúvio do amanuense que atola tudo, e pergunto a mim mesmo, se não é aviltante, irremissivelmente aviltante, para certas corporações superiores, esta lotaria política que põe sábios e antigos servidores, encanecidos nas austeridades da honra e do trabalho, à mercê do primeiro rapazola que o sr. Serpa e o sr. José Luciano se lembram de fazer ministro, e dos bisbórrias que esse ministro escolha para estado-maior dos seus estardalhaços (...).

Fialho de Almeida, Os Gatos

__________ //__________

Fialho tem, do Conselho de Instrução Pública do séc. XIX, a mesma visão crítica que eu tenho dos mestres saídos da escola de Boston que, tragicamente, lançaram ideias daninhas e práticas assassinas sobre o nosso sistema de ensino a partir dos anos 80 do séc. XX. São eles os agentes importadores do modelo americano das ciências da educação, designação que seria hilariante se a realidade que nos impuseram não fosse trágica. À estatística, ou a brandem como arma, ou jenuflectem perante ela como se ela fosse o credo da verdade e a medida de todas as coisas. A estatística é o dogma da religião que professam, a que chamam ciência. Os mestres de Boston, não satisfeitos por controlarem todo o processo da formação de professores, quiseram que as suas ideias tivessem forma de lei. Conseguiram-no, chegando ao Ministério da Educação na última legislatura. Por lá se mantêm, apesar de ser outra a ministra. Queira Deus que eu me engane como o (às vezes reaccionário) Fialho se enganou tantas vezes.

Das restantes acusações que Fialho faz, nem me apetece falar!

3 comentários:

Meg disse...

Cara MPS,

Ora aqui está - oh! presunção! - um post que eu gostaria de ser capar de fazer.
Um retrato.
Fialho de Almeida... pois nem um texto tenho dele!
Santa ignorância, minha amiga.
Valeu porque já tenho trabaho de casa para fazer, e como estou de férias...

Um abraço

Isamar disse...

E que dilúvio, cara amiga, se abateu sobre a educação, atolando num fosso abissal também aqueles que por vocação a ela se entregaram durante décadas. Não creio que dele saiamos tão cedo e temo que nos atolemos ainda mais pois não vejo sinais que me animem, que me façam sair deste estado de alma onde o encanto foi definhando dia após dia.
Tenhamos coragem para correr com os amanuenses incompetentes, arrogantes e ignorantes que por aí pululam e saibamos levantar bem alto aqueles que com humildade, empenho, sacrifício se têm batido pelo rigor científico e pelo profissionalismo inerentes ao bom pedagogo.

Bem-haja!

Um abraço fraterno

Meg disse...

Cara MPS,

E as urzes estavam lindas, e as cascatas, e os riachos...
A minha alma encheu-se de verde.

Um bom fim de semana e

Um abraço amigo